MadeVisible.swiss   Recently updated !

La nouvelle campagne d’hiver du bureau de prévention d’accidents (bpa) est dans les affiches ces jours.

Deux points que j’ai pu remarquer :

1. Techniquement le site internet madevisible.swiss est un des peu qui utilisent la localisation du utilisateur pour afficher la bonne langue. Donc a Genève j’ai d’abord vu le site se charger en allemand pour de suite automatiquement changer pour le français. Bravo! Peut-être car il est fait par le TCS, avec son siège Romand?

2. Oui, c’est le TCS qui est le responsable pour le marketing de la campagne. TCS qui se présente comme ancienne association de cyclistes dans sa première phrase de présentation dans le site de la campagne. C’est vrai, mais… La campagne vise uniquement les victimes des conducteurs de voitures et autres véhicules motorisés. Ne serait judicieux que le TCS créé, au même temps, une campagne pour ses associés à demander plus d’attention, conduction (et parking) respectueuse des autres usagers de la voie publique? Les blessés et morts qui seraient pas visibles, sont causés en très grande majorité par les véhicules à moteur…

#madevisible


Receita de pão

Desde há uns anos que fazemos o pão em casa. Actualmente utilizamos massa velha/massa mãe/levain/sourdough ou como queiram chamar. O resultado é que o nosso pão actual só tem três ingredientes: farinha, água, sal (a massa velha é ela mesma feita de farinha e água).

Aqui fica a receita base para começar a fazer pão em casa sem máquinas e com farinhas simples.

Receita de pão

Ingredientes

  • 100% farinha, p.e. 500 g
  • 70% água, p.e. 350g
  • 2% sal, p.e. 10g
  • 1,5% levedura seca, p.e. 7g (uma saqueta) ou 4% levedura fresca (um cubo)

Preparação

  1. Misturar tudo até não haver farinha seca.
  2. Deixar repousar 10 minutos
  3. Amassar bem durante 5/10 minutos (ou com máquina de amassar massa de pão)
  4. Repousar 30 minutos, coberto
  5. Tirar o ar da massa e amassar ligeiramente (esticar e dobrar 3 ou 4 vezes)
  6. Repousar 30 minutos, coberto
  7. Tirar o ar da massa e amassar ligeiramente (esticar e dobrar 3 ou 4 vezes)
  8. Fazer uma forma do pão (redondo, quadrado, baguette…) e por num recipiente com bastante farinha que mantenha relativamente a forma (pirex, forma de bolo), coberto
  9. Aquecer o forno a 250° (ou mais), com uma placa
  10. Passados 30 minutos por o pão sobre uma folha de papel vegetal que vá ao forno; fazer ligeiros cortes na massa para que ela cresça bem; por o pão no forno e borrifar o pão e as paredes do forno ligeiramente com água, fechar logo a porta para manter o vapor.
  11. Passados 10 minutos baixar a temperatura para 200°
  12. Passados 30 minutos (40 minutos no total) o pão deve estar pronto.

Truques:

  • utilizar farinha T65 ou T80. Fica ainda melhor se parte da farinha (20%) seja integral (T110) ou de centeio, ou mistura dos dois).
  • Pode-se deixar o pão levedar um pouco mais (2h no total), mas não deixar demasiado tempo.
  • Pode-se diluir o sal na água antes de misturar à farinha
  • Pode-se diluir a levedura em um pouco de água morna para que esteja mais activa
  • As mãos molhadas ajudam a que a massa cole um pouco menos quando se amassa ligeiramente

E depois é a prática para que saia cada vez melhor e mais bonito. O passo seguinte, é pão com a massa velha e deixar de usar a levedura…


Produits portugais à Genève

J’ai cherché sans succès une liste d’épiceries avec produits portugais à Genève (ville). Donc voici, peu à peu, une liste des endroits oú on peut trouver notre vin, fromage, caldo verde, agriões, etc.

Produtos portugueses em Genebra, uma lista sucinta. Podem contactar-me para adicionar outra loja.


 


Roaming e chamadas internacionais

O novo regulamento de roaming  (roam like at home) abrange unicamente as viagens na UE. Isto trouxe casos paradoxos como o seguinte:

O João tem um número de telefone da Vodafone Portugal, com um tarifário pré-pago Vodafone Direto, e tem a namorada na Estónia. Quando telefona de Portugal para a Estónia, o João paga entre 44 cent/min (fim-de-semana) e 70 cent/min (dias úteis). É uma chamada internacional e o tarifário internacional aplica-se. Se o João for a uma conferência na Itália e telefonar à sua moça paga 9,9 cent/min, qualquer dia da semana. É o tarifário nacional que entra em jogo, porque o João está em roaming na UE.

Ou seja, sai muito mais barato telefonar do estrangeiro para outro país da UE que do próprio país!

A ver quando o parlamento Europeu se vai decidir de terminar com as chamadas internacionais no seio na União Europeia.

A legislação: http://europa.eu/youreurope/citizens/consumers/telecoms-internet/mobile-roaming-costs/index_pt.htm

 


Expedição dentro da cidade

Estando em Lisboa numa pausa de viagem, não podemos deixar de estar parados e temos multiplicado as nossas expedições na cidade.

Cidade vista de Monsanto

Exemplo: Um olhar no mapa de Monsanto, fazer um traço grosseiro para ter ideia da distância no GPSies e partir. O percurso consistiu de apanhar o metro até ao Jardim Zoológico e voltar a casa a pé, passando pelos altos de Monsanto. 10km, 3h de marcha com pausas e uma imperial no quiosque no Colégio Militar e está feita uma expedição na cidade.


Os lentos voos do serviço clientes TAP

A nova página da TAP para além de bonita, tem imensos bugs. Nós sofremos de um deles, quando tentamos juntar uma bagagem ao nosso voo do dia 17.Março.2017.

Na tentativa que fizemos dia 12.Março, o pagamento não funcionou. No dia 14.Março vamos a tentar novamente e verificamos que a nossa reserva já tem uma bagagem adicionada e o pagamento de 21.50 CHF está confirmado. Imprimimos a confirmação.
Dia 16.Março, ao voltar à nossa reserva (algo complicado porque a página da TAP sempre nos enviava de volta ao início quando clicávamos “Gerir reserva”), vemos que a bagagem já não existe. E o preço para juntar uma nova é agora 35€! Decidimos nada fazer.
No momento do check-in, dia 17.Março, a funcionária diz não haver nenhuma bagagem e nada poder fazer com a nossa confirmação impressa, para nos dirigir ao serviço clientes. Propõe juntar uma bagagem à reserva, o que aceitamos. Em dez segundos dá um recibo no valor de 35€. Dizemos que o preço devia ter sido os 20€, como havíamos tentado pagar na página. Too late diz ela. Ela devia ter prevenido do preço.
Vamos ao serviço clientes onde esperamos mais de 15 minutos na fila. A senhora diz nada poder fazer e para fazermos uma reclamação on-line, porque, confirma ela, há vários problemas com a página web da TAP.

Dia 20.Março faço a queixa no site da TAP. O formulário permite juntar documentos (docx, pdf, jpg) mas dá sempre erro quando tentamos. Vai a reclamação sem qualquer comprovativo.

O tempo passa.

Dia 5.Abril, recebo uma primeira resposta por e-mail a pedir os comprovativos. Enviei os mesmos hoje, dia 6.Abril.

Dia 26.Abril recebo a resposta ao email do dia 6, a confirmar que aceitam o meu pedido de reembolso no valor de “16.50CHF ou equivalente em EUR, como preferir”. Respondi no mesmo dia.

Dia 8.Maio recebo finalmente em PDF um voucher com um código no valor de “16,5 C” – pressuponho que seja francos suíços. Não há instruções de utilização.

Em Junho tento utilizar o voucher na compra de um bilhete no site TAP. Diz-me que o código é inválido.

Contacto a TAP para ter mais informações: o voucher só pode ser utilizado em compras por telefone! Teria sido simpático ter essa informação escrita no dito voucher…

Ou seja, já passaram 6 meses do meu problema de pagamento e ainda não pude recuperar o dinheiro pago a mais.


Novas ciclovias em Lisboa, novos problemas

As novas ciclovias em Lisboa, na Fontes Pereira de Melo e Avenida da República estão bem feitas. Aparte de ter 3 standards diferentes de como passar pelas paragens de autocarro (passadeiras na FPM, nada ao inicio da AR e interrupções da ciclovia mais tarde), de resto é agradável passar nestas novas vias. Isto se houvesse respeito da parte dos automobilistas. As fotos aqui foram tiradas um sábado de manhã:

Subida da Fontes Pereira de Melo, camioneta não respeita o Art. 49 alignia f) do Código da Estrada.

No Saldanha, automobilistas não respeitam o Art. 69 do código da estrada.

Código da Estrada
Lei n.º 72/2013, de 3 de setembro

Artigo 49.º – Proibição de paragem ou estacionamento

1 – É proibido parar ou estacionar:

f) Nas pistas de velocípedes, nos ilhéus direcionais, nas placas centrais das rotundas, nos passeios e demais locais destinados ao trânsito de peões;

Artigo 69.º – Atravessamento

1 – O condutor não deve entrar num cruzamento ou entroncamento, ainda que as regras de cedência de passagem ou a sinalização luminosa lho permitam, se for previsível que, tendo em conta a intensidade do trânsito, fique nele imobilizado, perturbando a circulação transversal.